Roteiro 5 dias em Roma e Vaticano

posted in: Europa, Italia, Roma, Roteiros, Vaticano | 1

Resolvi alterar o formato do roteiro, tornando-o mais completo, em vez de resumido, espero que gostem.

São 3 dias completos mais uma tarde e uma manhã, com 4 noites em Roma.

A viagem foi efectuada em fim de Setembro de 2016.

Dicas:

Preparação da Viagem

Onde dormir

Onde comer

Roma Pass – Vale a pena?

Transportes

Transporte Aeroporto Ciampino – Centro de Roma

 

Dia 1 – Sábado (Tarde)

Chegamos pelo Aeroporto de Ciampino e apanhamos o autocarro Sit bus shuttle até Termini. Em Termini seguimos à pé até ao nosso “hotel”, que é uma boa guesthouse. Fizemos check in e deixamos as malas, e apanhamos o autocarro 60 até a Piazza Venezia. Havia uma maquina para comprar os bilhetes para o autocarro junto a paragem.

Nota: Não se pode comprar bilhetes dentro dos autocarros, não se esqueça de comprar antecipadamente.

Começamos pela Piazza Venezia onde se encontra o Monumento a Vittorio Emanuele II.

E depois começamos a visita as maravilhosas igrejas italianas: Igreja de Santo Inácio de Loyola, que tem frescos de Andrea Pozzo.

Chegamos ao Panteão, que estava fechado para uma missa. Mas não teve problema pois estávamos cheios de fome, procuramos uma pizzaria, e comemos a nossa primeira pizza italiana. Mais informações em Onde comer em Roma.

Continuamos caminho até a Piazza Navona.

A Piazza esta delimitada por diversos Palácios e explanadas, nos centro encontram-se as fontes, com destaque para a majestosa Fontana dei quatrro Fuiumi de Bernini, que representa os 4 importantes rios do Mundo, e em cima tem um obelisco.

Piazza Navona

Num dos lados, ao centro encontra-se a Igreja de Sant’ Anese in Agone, dentro encontra-se uma bela cúpula, na qual não é permitido tirar fotos.

Daqui voltamos à trás por um caminho diferente passando pela Igreja de San luigi dei Francesi, onde se encontram 3 obras de Caravaggio. A entrada é gratuita.

Ali perto, um pouco mais a frente, encontram-se as ruínas do Templo di Adriano, que agora faz  parte da fachada da bolsa de valores Italiana.

Regressamos ao Panteão, no entanto como estava quase a fechar, optamos antes por um belo gelato Italiano, e num outro dia fomos visitar o Panteão, no entanto só por fora já se pode ver a beleza e magnitude do monumento.

Fontana de Trevi

Continuamos a explorar as ruas de Roma, desta vez em direção a Fontana de Trevi, onde não podemos deixar de cumprir a tradição e atiramos as moedas na Fontana.

Como era de esperar a Fontana estava cheia de gente, e não é de admirar, afinal é uma obra belíssima de Nicola Salvi.

Encontra-se localizada na rua e é gratuita (tirando a moedinha para atirar, claro.)

Ainda passamos na Piazza di Spagna, para conhecer a famosa Scalinata di Spagna, ou Escadaria Espanhola, onde o acesso também é gratuito.

Ali ao lado encontra-se uma estação de metro, onde podemos apanhar o metro até ao nosso hotel.

 

Dia 2 – Domingo (Tarde com o Roma Pass 72H)

Acordamos cedo e fomos apanhar o autocarro 62 até ao Vaticano, pois nessa manhã íamos à Praça de São Pedro, assistir uma Missa presidida pelo Papa.

Antes de ir a missa ainda tivemos tempo de passar numa loja e comprar artigos religiosos para a nossa família.

A missa aconteceu naquele dia porque era o Jubileu dos Catequistas, não é normal haver missa regularmente presidida pelo Papa. Geralmente ele apenas dá a Benção as 12h na janelinha. Naquele dia tivemos sorte e havia missa também.

Vaticano

Se forem a uma missa no Vaticano no verão, mesmo que seja no final, não se esqueçam do chapéu e protector solar, nós não levamos e arrependemo-nos.

Para entrar Praça de São Pedro é necessário passar por um apertado controlo de segurança. A piazza foi planeada por Bernini.

Depois da Missa fomos almoçar na zona adjacente ao Vaticano, ver mais em Onde comer em Roma.

Dali seguimos à pé pelas ruas até a Piazza del Popolo.

Na Piazza del Popolo encontram-se as famosas igrejas gémeas, e a Igreja Santa Maria del Popolo, que ficaram conhecidas após o filme Anjos e Demónios. Ao lado da Igreja Santa Maria del Popolo encontra-se o Museu de Leonardo da Vinci, de entrada paga.

Piazza del Popolo

Igreja Santa Maria del Popolo foi encomendada pelo Papa Sisto, encontram-se obras de Rafael, que criou a Capela Chigi e Bernini que a terminou, ainda encontram-se 2 obras de Caravaggio. A entrada é gratuita, os horários são complicados, só conseguimos visita-la numa segunda tentativa.

Apanhamos o metro e seguimos até ao Coliseu de Roma, parando em Termini para comprar o Roma Pass.

Dica: Comprem o Roma Pass logo que possam, pois não é tão fácil de ser encontrado como parece.

Pelo caminho compramos água mas logo nos arrependemo-nos, pois não é permitido entrar no Coliseu com garrafas com água, apenas vazias, bebemos o que pudemos e deitamos o resto fora.

A entrada com o Roma Pass é prioritária, não é entrada directa mas a fila é mais pequena do que aquela para comprar os bilhetes, por isso recomendo vivamente a compra do Roma Pass.

O Coliseu é magnifico, no entanto a exploração é complicada sem um guia ou audio-guia, pois existe pouca informação. Sem guia andam-se um pouco as voltas, sem se saber bem o que se vê.

Coliseu

O Coliseu é o maior anfiteatro de Roma, onde ocorriam combates entre gladiadores e animais selvagens. No Coliseu cabiam cerca de 55000 pessoas.

Entrada paga, em conjunto com o Forum Romano e Palatino: 12€, pode-se utilizar o Roma Pass.

Junto ao Coliseu encontra-se o Arco de Constantino, que se pode ver gratuitamente. Trata-se de um Arco comemorativo do Triunfo na batalha da Ponte Mílvio.

Após a visita ao Coliseu dirigimo-nos ao Forum Romano, aqui também há fila para comprar bilhetes, embora não tão grande quanto à do Coliseu, mas para o Roma Pass a entrada foi directa.

Para o Forum Romano e Palatino a indicação de guia ou audio-guia mantém-se, pois a informação no local é escassa.

Quando entramos no Forum damos logo de caras com o Arco de Tito, que foi construído para comemorar o saque de Jerusalém. A direita temos o Templo de Vénus e Roma, que se encontra ainda bastante de pé.

Depois temos vários templos destruídos, como o Templo de Vesta, o Templo de Saturno ou o Templo de Rómulo. Pois as pedras foram retiradas para construir igrejas quando os romanos deixaram de ter religiões pagãs e passaram a ser Cristãos.

Fórum Romano

Ainda se encontram as ruínas da Cúria, e diversas Basílicas, a Basílica Emília, Júlia ou Constantino e Maxêncio utilizadas para a justiça e negócios. E no meio das ruínas encontra-se a via sacra, onde na altura da Pascoa o Papa reza a própria via sacra lá.

Na parte superior do Forum encontra-se o Palatino, que fica no Monte com o mesmo nome. Ali era onde viviam os antigos Romanos antes de passarem para o Forum.

No Palatino podemos ver as ruínas da Casa de Augusto, ainda com frescos visíveis, como também na Casa de Lívia, seu esposa.

No Domus Flavia ainda se pode ver o piso de mármore, e podemos ver as ruinas de um enorme estadio, parte do antigo Palacio imperial. Também se pode ver a estrutura ainda bastante conservada do Palacio do sétimo Severo.

No centro do Palatino encontra-se um Palácio com uma coleção, que se encontra incluída no bilhete.

A lenda diz que foi no Monte Palatino que foi criada Roma, por Rómulo que matou o seu irmão Remo, e que ambos tinham sido criados por uma loba naquele Monte.

Palatino

Do Palatino é possível ver o Circo Massimo na sua extensão, no entanto é possível levo gratuitamente fora do Palatino.

Estávamos quase a terminar de ver o Palatino quando vieram nos dizer que iria fechar e que tínhamos de sair. Para sair tem de ser sempre através do Forum Romano.

A entrada para o Palatino é a mesma do que para o Forum, pelo que depois de visitar o Forum deve de subir para visitar o Palatino.

Entrada paga, em conjunto com o  Coliseu: 12€, pode-se utilizar o Roma Pass.

Estávamos tão cansados, porque foi um dia muito cheio, e saímos do Fórum directos para o hotel e só saímos para jantar.

 

Dia 3 – Segunda-Feira (Com o Roma Pass 72H)

Tínhamos reservado a entrada para os Museus do Vaticano e Capela Sistina (Vaticano) pela internet para as 10h. Acordamos relativamente cedo e fomos tomar o pequeno-almoço. Ainda tínhamos mais de 1h antes da hora marcada, como no dia anterior foi bastante rápida a viagem de autocarro pensamos ter tempo suficiente. Mas esquecemo-nos que era segunda-feira, e havia bastante transito, passamos muito tempo no autocarro que quando chegamos tivemos de correr para chegar lá a horas. Mas conseguimos, mal chegamos, entramos logo e fomos trocar os vouchers por bilhetes.

Recomendo que cheguem cedo e não estejam a contar que os transportes sejam tão rápidos como já foram.

Dica: Comprar entrada online, entrada directa sem fila, que ainda é bastante grande.

Os museus são enormes e cheios de obras interessantes para ver. Muita gente vai apenas pelos corredores que dão acesso directo a Capela Sistina, mas se tiver tempo não deixe de visitar o museu todo.

Dica: Mais uma vez a informação do museu é pouco, pelo que recomendo um guia ou audio-guia. Nós fomos com um audio-guia muito bom e gratuito, mas que apenas há em inglês, que possível fazer o download para o seu telemóvel: Rick Steves Audio Europe.

Museus do Vaticano

Entramos nos museus pelos jardins onde se encontra a pinha de bronze. Visitamos o museu Pio-Clementino, onde estão expostas varias estátuas clássicas. Depois visitamos os Museus Etrusco e Egípcio, estas salas estão bem mais vazias do que o resto do museu, não por falta de interesse mas porque não fazem parte da rota direta para a Capela Sistina.

Voltamos para o percurso da Capela Sistina, passando pelas cheias galerias do Candelabro, Galeria das Tapeçarias e a Galeria dos Mapas. Seguimos pelas Salas Rafael, apartamentos Bórgia até a coleção de arte moderna presente nos Museus.

Onde descemos até a Capela Sistina, que é realmente magnifica e cheia de gente, encontramos um canto e ficamos a admirar a beleza do local. Infelizmente as fotos não são permitidas, embora muitos o façam.

Passamos também pela Pinacoteca, Museu Pio-Cristão e pelo Museu Profano Gregoriano.

Depois desta enorme visita fomos comer na cafetaria do Museu, que já estávamos esfomeados.

Depois passamos por exposições temporárias até finalmente encontramos a famosa escadaria de duplo caracol de Giuseppe Momo.

Quando saímos a fila para entrar continua enorme, vale muito a pena adquirir a entrada online.

Preço: 16€; com Entrada marcada online 20€ (16+4)

Regressamos a Piazza de San Pietro, desta vez para visitar a Basílica de São Pedro, que não tinha sido possível no dia anterior.

Na basílica podemos destacar a famosa Pietà de Michelangelo, a Cúpula projectada também por Michelangelo, o Monumento ao Papa Alexandre VII de Bernini, o Baldaquino que fica sobre o túmulo de São Pedro e as portas de Filarete. Para além do belo tecto e chão.

Basílica de São Pedro

Entrada é gratuita, com filas grandes.

É também possível subir à Cúpula, com entrada paga e fila, mas atenção que pelo menos parte da subida é necessário ser feita de escada.

Preço da Cúpula: 6€ (tudo de escada) ou 8€ (elevador+escadas).

Saímos do Vaticano passando pelo Castelo de São Ângelo, ainda pensamos em visita-lo, mas li que só valia a pena a vista, pelo que optei por visitar os Museus Capitolinos.

A entrada custa 14€ e é possível utilizar o Roma Pass.

Mais informações aqui.

Castelo de São Ângelo

Dica Roma Pass: Se já utilizou todas as suas entradas gratuitas, lembre-se que ainda tem desconto nas próximas visitas no tempo de validade do cartão.

Passamos para o outro lado do rio pela famosa Ponte S. Angelo, onde aproveitamos para tirar mais fotos.

Sabíamos que a Igreja Santo António dos Portugueses era ali perto, pelo que decidimos ir visita-la, antes de lá chegarmos comemos um gelado na conhecida Geladaria del Teatro,

A Igreja e tão bela como as demais Igrejas Italianas, mas destaca-se pelo facto de para além de ter a imagem do Santo António, tem também a imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Igreja Santo António dos Portugueses

A entrada é gratuita.

Para além da Igreja, a rua mesmo ali em frente é onde era a casa da personagem da Julia Roberts em Roma, no filme Comer, Amar e Orar. Se é fã do filme não deixe de lá passar.

A casa da Julia Roberts em Comer, Amar e Orar

Continuamos o passeio em direcção ao Panteão, que ainda só tínhamos visitado por fora.

O Panteão é o edifício mais antigo e bem preservado de toda a Roma. O ponto de interesse principal é a enorme cúpula e o seu oculo, que não tem protecção, pelo quando chove a água é escada pelas brechas existentes no interior do edifício, e é também o único ponto de entrada de luz de todo o edifício.

Panteão

Este Templo de todos os deuses foi transformado em Igreja quando os Romanos passaram a ser cristãos. O Panteão contem diversos túmulos, como o de Rafael.

A entrada é gratuita.

Mesmo a trás do Panteão encontra-se a bela Igreja Santa Maria sopra Minerva, que tem uma nave azul, e obras de Michelangelo, Bernini e Lippi. A Igreja gótica foi construida nas ruinas do Templo de Minerva.

Na entrada da igreja encontra-se uma praça, que no centro tem uma escultura de um elefante com um Obelisco Egípcio, de Bernini.

Piazza Della Minerva

A entrada na igreja é gratuita.

Seguimos para o Largo da Torre Argentina, onde se encontram ruínas de 4 templos, e Cúria de Pompeia, onde se reunia o Senado, e onde Júlio César foi assassinado.

Hoje em dia é uma colónia de gatos, como é uma colónia de gatos não é possível entrar, mas pode ser vista de um ponto alto.

Largo da Torre Argentina

Ainda fomos ver de noite a Piazza di Spagna e a Escadaria Espanhola, e a Fontana de Trevi de noite. Ambas continuam com imensa gente como de dia.

 

Dia 4 – Terça-Feira (Com o Roma Pass 72H)

Começamos o dia no Campo di Fiori, sabia que a melhor altura para ir era de manhã, pelo que foi a altura escolhida para ir. Mas conhecemos mais duas Igrejas pelas redondezas, a Igreja de Gesú e a Igreja Sant’Andrea della Valle.

O mercado não é muito grande mas cheio de vida. Os preço estão um pouco inflacionados mas o que vendem lá dá vontade de comprar.

Campo di Fiori

Fruta fresquinha preparada, uma grande variedade de massas, flores e também tem roupa e sovenires.

Daqui seguimos a pé pelas ruas de Roma, onde vimos o Rio Tibre, e a isola triberina.

Rio Tibre e a isola Triberina.

Pelo caminho em direção à Boca de La Veritá passamos pelo Templo Maggiore di Roma, Templo di Portuno, Tempio di Ercole Vincitore.

Ali perto também se encontra Teatro de Marcelo e o Templo de Apollo Sosiano, que não sabíamos que ali se encontravam.

Templos

Seguimos para a Igreja de Santa Maria in Cosmedin onde se encontra a atração Boca de La Veritá, onde a Audrey Hepburn no filme Roman Holiday põe a mão na Boca de La Veritá. A lenda diz que a boca morde a quem mente, pelo que há muita gente a tentar por lá a mão a tentar a sua sorte. A fila para colocar a mão é grande, mas é gratuito.

Em relação à igreja é das mais pobres que vi em Roma, mas a atração não é a Igreja.

Dica: Se quiser ir mesmo ao Circo Massimo ele fica mesmo atrás da Igreja, é só seguir pela estrada que passa ao lado e chega ao Circo Massimo.

Boca de La Veritá

Trastevere

Cruzamos os rio e fomos para Trastevere. A zona centro de Trastevere é onde passa o eléctrico (bonde), por isso se quiser é possível chegar de eléctrico em Trastevere desde da Piazza de Venezia.

Aqui encontra-se a Igreja de Santa Maria in Trastevere, trata-se do primeiro local cristão em Roma, fundada pelo Papa Calisto. Destaca-se os mosaicos na entrada e o mosaico em abside no interior. A entrada é gratuita.

Junto a esta Igreja existem vários restaurantes e cafés que são muito agradáveis, nós aproveitamos e almoçamos na agradável esplanada de um deles, mais informações em Onde Comer em Roma.

Igreja de Santa Maria in Trastevere

Também se encontra aqui a Igreja de Santa Cecilia in Trastevere, onde também a entrada é gratuita, no entanto tivemos alguma dificuldade e não a conseguimos encontrar, depois apercebemo-nos que passamos ao lado.

Para além das Igrejas, o belo de Trastevere são as suas ruas, é uma Roma mais tradicional que ainda podemos conhecer aqui.

Seguimos de eléctrico desde de Trastevere até a Pizza Venezia, que é a ultima paragem, e utilizamos o Roma Pass para o trajecto.

Museus Capitolinos

Com a ultima entrada gratuita do Roma Pass fomos visitar Museus Captitolinos, ficam localizados junto a Piazza Venezia.

Chega-se até eles, pela Concordata, que é a escadaria, onde se encontram as estátuas de Castor e Pólux.

Na entrada encontra-se a bela Piazza del Campidoglio, Michelangelo desenhou, a pedido do Papa Paulo III, no centro encontra-se a replica da estátua do Imperador Marco Aurélio, a estátua verdadeira encontra-se no interior do museu.

No lado direito da praça é a entrada dos Museu e do lado esquerdo a saída.

A exposição divide-se entre o Palazzo dei Conservatori e o Palazzo Nuovo.

No interior destacam-se as obras Medusa de Bernini, a loba com Rômulo e Remo (ícone da cidade), pedaços da estátua colossal do imperador Constantino, a Estátua do Marco Aurélio e o salão dos Filósofos, com diversos bustos.

No terraço temos vista para o Forum Romano, onde podemos ver nos desenhos expostos como era antes e ao “vivo” como está agora.

Pode ser utilizado o Roma Pass.

Custo individual: 15€

Mais informações aqui.

Após sairmos dos Museus Capitolinos voltamos ao nosso hotel, onde descansamos para depois irmos passear novamente por Roma, à noite.

Apanhamos os nosso já conhecidos autocarros e saímos perto da Piazza Berberini.

Piazza Berberini

Seguindo a pé até a Piazza di Spagna onde fomos comer os famosos Tiramisu da Pompi, que são vendidos em caixas com colheres para serem levados, como estávamos juntos as Escadas Espanholas, escolhemos ir lá comer, e descobrimos que há uma regra que proibi que se como nas escadas, existem policias e tudo a controlar.

A caminho do hotel ainda passamos pela Piazza Colonna, onde se encontra a Coluna de Marco Aurélio.

 

Dia 5 – Quarta-Feira (Manhã com o Roma Pass 72H)

No ultimo dia fomos visitar Villa Borghese, que é um grande parque em Roma, tem varias entradas, em várias zonas da cidade. Nós entramos pela zona da Porta Pinciana e saímos pela Piazza del Popolo. Mas podem entrar também numa entrada junto a Praça de Espanha.

Villa Borghese

A Villa Borghese é um grande parque urbano, onde se localiza o zoo de Roma, e várias galerias de arte, entre as quais a Galleria Borghese, a Villa Medici, Museo Pietro Canonica ou o Museo Carlo Bilotti.

A entrada é gratuita, expecto para algumas galerias ali existentes.

O parque inclui os jardins da Villa Borghese, Vila Giulia e Jardins Pincio.

Neste parque fica localizada a famosa Galleria Borghese, mas para visitar é necessário reservar antecipadamente por telefone ou directamente no site deles aquando a aquisição do bilhete.

Para usar o Roma Pass para visitar a Galleria Borghese é necessário ligar a reservar, não aceitam de outra forma, por isso é bom saber um pouco de Italiano. Se comprar o bilhete directamente no site é mais caro mas consegue escolher logo o dia, 15€ no site.

Galleria Borghese

Após saímos do parque, pela saída da Piazza del Popolo, ainda visitamos a Igreja do Popolo, que se encontrava aberta. Após a visitar regressamos de metro, almoçamos numa pizzaria junto ao hotel e fomos ao hotel buscar as malas que deixamos guardadas.

Seguimos para Termini, desta vez de autocarro, onde apanhamos o autocarro para Ciampino.

E assim terminou mais uma viagem.

[Actualizado]

One Response

Deixar uma resposta