Paris – Dia 2 – Versalhes

Utilizando o Paris Museum Pass de 4 dias.
 

A entrada no Castelo e a fila enorme
Neste segundo dia decidimos ir conhecer Versalhes, saímos cedo do Hotel e fomos de metro directo até a estação Assemblée Nationale (fica ao lado do Musée d’Orsay), onde apanhamos o comboio para Versalhes.
A viagem custou 3.35€ por pessoa e trajecto, aconselho a compra do bilhete de ida e volta, apesar de não ficar mais barato, no regresso a Paris as filas para comprar bilhete eram extensas, mesmo nas maquinas automáticas.
Edifício junto à estação de Versalhes

Atenção: as maquinas de bilhetes para o comboio só aceitam moedas ou cartão de crédito.

Dica: A estação mais próxima do Castelo de Versalhes é Versalles-Rive Gauche.
Apesar de ser a estação ser a mais próxima, tem na mesma fazer uma caminhada até ao castelo. Considero o caminho desde da estação até Versalhes bastante agradável, excepto quando chove (foi o que nos aconteceu na volta).
Junto à estação existem bastantes serviços e comércio, nomeadamente hotéis, restaurantes, cafés e lojas de soveniers.
Junto a entrada do Castelo estava uma fila enorme para entrar, aqui os portadores do Paris Museum Pass não têm prioridade. 
Acreditem, demorei mais tempo a entrar em Versalhes do que a entrar na Torre Eiffel.
Vale a pena ir bastante cedo visitar Versallhes, foi o monumento mais cheio de turistas que encontrei em Paris, o passar pelas salas era uma tarefa quase impossível.
O Palácio de Versalhes ao fundo

Começamos por vistar o Palácio em si primeiro, adquirimos um audio-guia gratuito e em Português, mas tivemos de estar numa fila novamente.

Achei o audio-guia muito interessante, vale a pena esperar na fila. Existem folhetos em Português.
O Castelo tem 2 pisos e muita ostentação e riqueza por toda a parte, agora sei de onde veio o proverbio “à grande e à francesa”!
A visita começa pela capela e pela galeria da história do castelo no rés do chão. Seguindo para as Salas do Rei Luís XIV no primeiro andar, onde conseguimos ver a parte alta da capela.

Capela Real

Em seguida passamos à parte mais interessante da vista, os grandes apartamentos, onde fica a galeria dos espelhos e o quarto do rei, e também são as partes com mais turistas.

Infelizemente não conseguimos vistar a galeria das batalhas, pois estava encerrada ao público.
Então descemos e fomos visitar os apartamentos das meninas, as filhas de Luís XV.
Galeria dos Espelhos

Daqui fomos devolver os áudio-guias e visitar os jardins, os Castelos do Trianon e o domínio de Maria Antonieta.

Quando saímos começou a chover, pelo que optamos em fazer o caminho de comboio turístico. Custou 6.90€ por pessoa mas podiamos entrar e sair quando queriamos, nas diversas paragens e apanhar o próximo comboio. 
Valeu bem a pena, porque para além de estar a chover o caminho era muito longo. Mesmo que não estivesse a chover optava pelo comboio.

Grande Trianon

A primeira paragem era no Grande Trianon, onde saímos para o visitar.

Na saída, já estávamos cheios de fome, mas a única coisa que havia para comer eram batatas no forno com vários acompanhamentos por 8€, resolvemos esperar e ver o que havia para comer no Pequeno Trianon.
No Pequeno Trianon haviam umas baguetes sem piada da Angelina à partir de 6,5€, tivemos de as comer, não dava para esperar mais, já era bastante tarde e estamos esfomeados.
Petit Trianon

Continuamos à vista, pelo Pequeno Trianon e pela vila da rainha, conhecidos por domínio de Maria Antonieta.

A visita a vila da rainha é gira, mas está muito degradada e as casas estão todas fechadas.
Domínios de Maria Antonieta

Fomos outra vez de comboio até ao grande canal e daqui para o Castelo.

Seguimos para Paris.

One Response

Deixar uma resposta