Guimarães – Centro histórico

Mal chegamos a Guimarães estacionamos o carro no parque coberto do centro comercial e fomos almoçar, estávamos esfomeados, comemos uma francesinha.

De seguida fomos a descoberta da cidade, tinha pouco coisa programada, apenas sabia que queria ver de certeza o centro histórico e o castelo de Guimarães.

Largo da Republica do Brasil e Igreja de São Gualter

Acabamos por ver mais do que isso, e ficou a vontade de conhecer mais a cidade e do que ela tem para oferecer.

Começamos no Jardim do Largo da Republica do Brasil (onde ficava o centro comercial), de onde se vê a Igreja de São Gualter/Igreja de Nossa Senhora da Consolação ao fundo e no alto do monte o Santuário da Penha.

Santuário da Penha

Não tivemos tempo para visitar o Santuário da Penha e andar no teleférico, pelo que teremos de regressar para visitar.

Próximo a Igreja de São Gualter encontra-se o teleférico que leva ao Santuário da Penha.

Sem saber por onde ir, entramos no emaranhado de ruas e logo depois estávamos na zona mais central de Guimarães. No Largo da Oliveira e Praça de São Tiago.

Largo da Oliveira

No Largo da Oliveira fica localizado um dos simbolos da cidade, o belíssimo Padrão do Salado, monumento que comemora a vitória na batalha do Salado.

No Largo da Oliveira passa-se abaixo das arcadas do belo edifício dos antigos Paços de Concelho
e passa-se para a Praça de São Tiago.

Antigos Paços do Concelho

Na Praça de São Tiago e no Largo da Oliveira existem muitas explanadas, onde dá para apanhar um pouco de sol e descansar um pouco.

Procurei o posto turístico, o que foi um pouco difícil de achar, entrei primeiro no departamento turístico da Câmara, e lá me disseram mais ao menos onde ficava o Posto de turismo.

Pedi um mapa que era gratuito. Achei o mapa muito bom e muito bem apresentável, abaixo um dos versos do mapa oferecido (o posto de turismo é o ponto azul no centro do mapa).

Gostei muito do centro histórico de Guimarães.

Seguimos pelas ruas, agora já sabíamos onde andávamos.

Passamos pela Câmara municipal de Guimarães e também por uma zona onde parte das muralhas da cidade ainda estão de pé.


Nota: Depois continuamos para o Castelo e para os Paços dos Duques, mas numa tentativa de unir tudo relativo ao centro histórico, irei continuar a relatar o trajecto após sairmos do Paço dos Duques.
Pelo que podem de fazer a vista ao centro histórico toda seguida ou intercalada, como eu fiz.

Após a vista aos Paço dos Duques descemos pelo Largo Martins Sarmento.

Passando num dos espaços verdes da cidade: Largo do Carmo.

Seguimos pela rua das Trinas e passamos pelo curioso largo das laranjeiras.

Continuamos a descer pela rua de Gil Vicente.

Passamos também pelo Guimarães welcome center e a plataforma das artes criativas (criadas para Guimarães 2012) onde não entramos.
Que era o antigo local do mercado municipal, para ser sincera pensei que ainda fosse, só agora me apercebi o que era.

Continuamos pela rua Paio Galvão, onde passamos pelo Museu Arqueologico da Sociedade Martins Sarmento.

E por fim chegamos ao Largo do Toural (que tínhamos passado de carro quando chegamos).

É uma grande praça e a mais importante de Guimarães.

No Largo do Toural encontra-se a Igreja de São Pedro.

Acesso a uma parte mais baixa da cidade, pela Rua de Camões.

E finalmente encontramos a famosa frase: “Aqui nasceu Portugal”.

Já na Alameda de São Domingos.

Passamos pela Igreja de São Francisco e complexo, onde há mais um espaço verde da cidade.
Gostei de ver que a cidade de Guimarães tem bastantes espaços verdes.

Não tínhamos a certeza se conseguíamos visitar Guimarães, nem sequer passamos lá a noite, mas adorei conhecer a cidade.
Fiquei com pena de não ter ficado lá uma noite e poder visitar mais alguns lugar, ou só ficar a sentido o movimento da cidade, mas ficará para uma próxima.
Não se esqueçam: na dúvida visitem Guimarães, vale muito a pena!

Deixar uma resposta